Estrada nos arredores de Downtown Disney, Flórida

Estrada nos arredores de Downtown Disney, Flórida

Viagens podem ser extremamente prazerosas, mas também podem ser altamente traumáticas. E sabendo o quanto uma viagem pode custar, faz total sentido que você queria otimizar a sua experiência para que o seu suado dinheiro traga o maior benefício possível.

 Para evitar desastres em sua próxima viagem, eu listei aqui algumas dicas e sugestões para que você possa ter uma viagem mais prazerosa e tranquila.

1- Planejamento e preparação prévia

Um dos itens mais básicos na preparação de uma viagem que acabará sendo agradável e prazerosa é a preparação e planejamento adequados.

De nada adianta gastar milhares de dólares em uma viagem se você não tirar o tempo para poder fazer um planejamento adequado.

Sem preparação você só acabará se frustrando e vai acabar voltando com um monte de estórias de terror e desapontamento. Já vi isto acontecer diversas vezes, até mesmo com pessoas próximas.

2- Viaje com a companhia certa

A família reunida em visita à NASA no Cabo Canaveral

A família reunida em visita à NASA no Cabo Canaveral

Escolha bem as pessoas que você quer junto em uma viagem, principalmente viagens um pouco mais longas.

Mesmo pessoas que a gente gosta, amigos ou até parentes, podem não ser as pessoas ideais para viajar com você. Tudo não se resume a gostar ou não da pessoa. Muitas outras coisas passam a importar, quando se vai passar tanto tempo junto com alguém.

Coisas do tipo: interesses pessoais, estilos de consumo, resistência física, ânimo e pique para ir de um ponto de interesse ao outro, são só alguns exemplos.

Faça um teste antes, passe um final de semana completo com os seus possíveis companheiros de viagem, isso lhe ajudará bastante a ter uma ideia de como a pessoa se comporta em experiências deste tipo. Se não der certo em 2 ou 3 noites fora, imagina em uma ou duas semanas o que poderia acontecer.

Muitas vezes a companhia certa pode ser apenas um namorado(a) ou esposo(a).

3- Alimente expectativas realistas

Se você procurar ler em fóruns de discussão de viajantes, verá muita gente reclamando de destinos, pontos de interesse, e de sua viagem como um todo.

Isso quer dizer que viajar seja algo ruim?

Certamente não. A mais provável causa deste tipo de reclamação é a pessoa viajar com uma expectativa pouco realista do que o destino tem a lhe oferecer.

Um exemplo rápido que posso te dar seria o de pessoas que viajam para hotéis de categoria média, no centro de cidades históricas européias, e depois voltam reclamando que o hotel não possuía elevador.

Tudo bem, eu mesmo confesso já ter ficado surpreso em Milão, ao procurar por um elevador no hotel em que eu estava hospedado e não encontrar nenhum, pois simplesmente este hotel não possuía um.

Isto faz quase uma década e eu estou te alertando para que você não passe pela mesma situação que eu.

Resultado, eu tive de levar minha mala pesada escada acima. O que me leva à próxima sugestão.

4- Leve malas pequenas e leves

Minivan com porta-malas cheio de malas do enxoval Flórida Maio de 2014

Minivan com porta-malas cheio de malas do enxoval Flórida Maio de 2014

Eu sei que esta sugestão pode parecer pouco prática, principalmente para mulheres. Mas é até difícil salientar de forma suficiente o quanto isto é importante e quão melhor sua viagem pode ser se você aplicar esta sugestão.

Você pode levar quanta mala achar que precisa, mas faça o seguinte, nas suas duas próximas viagens faça uma delas com toda a bagagem que você gostaria de levar, e na outra leva o básico, nada mais do que o básico. Depois me conte em qual delas você teve uma experiência melhor.

5- Cartões de crédito funcionando

É difícil de acreditar, mas até hoje em dia tem gente que se perde com relação à esta questão. Muitas vezes as pessoas acham que levando bastante dinheiro em espécie o cartão perde um pouco a sua importância.

Nada disso!

O cartão de crédito, ou melhor, cartões de crédito, no plural mesmo, são extremamente importantes em viagem.

Sua necessidade já fica evidente logo em sua chegada ao destino, no guichê, ou da empresa de locação de veículos, ou nas máquinas de venda de bilhetes de trem.

As locadoras de veículos não gostam de operações em cartões de débito, e muito menos em dinheiro. Toda a estrutura de locação, passando pela pré-autorização de um valor maior para cobrir incidentes, até a questão da bandeira, tornam o uso do cartão de crédito para pagamento de sua locação de veículos, a sua melhor (para não dizer a única) opção.

Uma situação bem parecida acontece nas estações de trem européias, você até pode ainda hoje ir até a janela de atendimento e comprar seu ticket com um ser humano. Mas esta opção é cada vez menos encorajada e é praticamente só utilizada por turistas. Que são abundantes por toda a Europa, principalmente na cidade de Paris, e em quase todas as cidades turísticas da Itália. Tornando a opção de atendimento humano e pagamento em dinheiro desfavorável em função to tamanho das filas normalmente encontradas.

Hoje as máquinas de auto-atendimento estão por toda parte e são super fáceis de usar, pois você pode escolher entre vários idiomas disponíveis. A Língua Portuguesa dificilmente estará entre as opções, mas Inglês é sempre uma opção, e o Espanhol, se lhe for útil, é frequentemente encontrado.

Em suma, é importante que você desbloqueie todos os seus cartões, verifique eventuais coberturas que estão inclusas com o seu uso, e também, dentro do possível, você deveria pedir aumento dos seus limites, não para gastar até acabarem seus limites, mas para você ter uma segurança adicional no caso de algo inesperado ocorrer.

6- Leve dinheiro para o básico

Mesmo que seja super importante ter os seus cartões liberados para uso no exterior, você ainda precisa ter dinheiro vivo, mesmo que seja o básico, para os 3 primeiros dias.

Isto é importante para operações como por exemplo, pagar um eventual pedágio onde cartões não são aceitos, comprar algo em um restaurante ou mercado pequeno na Europa, etc.

Uns 100 dólares ou euros por dia por pessoa costumam ser o suficiente para este dinheirinho da emergência.

7- Escolha bem sua hospedagem

Vista frontal da casa alugada

Vista frontal da casa alugada

Para que você tenha uma boa experiência em suas viagens, uma das questões mais importantes é escolher bem sua hospedagem.

Escolher bem nos seguintes sentidos: Tipo de Hospedagem, Nível de Qualidade, Localização.

O tipo de hospedagem é importante, existem vários tipos, para todos os gostos, bolsos, tamanhos de família, etc.

  • Se você for um mochileiro, talvez se contente com um albergue e beliches compartilhados.
  • Se você faz questão de privacidade mas gosta de preços baixos, talvez um hotel de rede, mas longe do centro lhe satisfaça.
  • Se você possuir uma família grande, pode considerar alugar uma casa.
  • Se você faz questão de um quarto com banheiro privativo, mas gosta de áreas comuns e pessoas para trocar ideias, talvez queira alugar um quarto em uma casa via serviços como o AirBnB.
  • Se você quer toda a experiência de alto nível e comodidades em um só lugar, provavelmente fará questão de se hospedar em um Resort de Luxo.

Seja realista na hora de escolher sua hospedagem, você não poderá ter o requinte de um Resort de Luxo a preços de Albergue da Juventude.

Você não terá a facilidade de fazer tudo à pé, se você optar por um hotel/motel que fica longe do centro da cidade a ser visitada, ao lado de uma rodovia, mas você terá elevador, o que talvez não terá se optar por um hotel no centro histórico de cidades européias.

8- Meio de transporte adequado

Chegando à Veneza de carro

Chegando à Veneza de carro

Existem normalmente várias opções na hora de você decidir como vai se deslocar em sua próxima viagem. Na Europa, por exemplo, duas ótimas opções são: os incríveis trens europeus, ou viajar de carro pelas excelentes rodovias que eles têm por lá.

Nos Estados Unidos, por exemplo, se você vai só para Nova Iorque, não há razão para considerar utilizar um carro alugado, já que o transporte público por lá é excelente, e os táxis estão por todo lado e são relativamente baratos.

Quem vai decidir qual o melhor meio de transporte para sua próxima viagem é você, e tem que ser você, pois você é a única pessoa que pode saber exatamente suas necessidades. Pense bem antes de se comprometer com um ou outro meio. Não compre um Eurail Pass para depois pensar que deveria ter viajado pela Europa de carro. Não alugue um carro para depois se tocar que você só vai ficar em cidades grandes, e o carro vai rapidamente se tornar um estorvo.

9- Distâncias não exageradas

Eu também já fiz isso mais de uma vez, na hora de programar minha próxima viagem, acabei colocando destinos demais, com uma distância muito grande entre eles, para depois perceber que a viagem acabou sendo uma correria, com muito tempo gasto em deslocamentos.

Na Europa isso pode significar querer ver 6 países em poucos dias. Nos Estados Unidos, pode significar ir para Miami, Los Angeles, Nova Iorque, e Las Vegas em uma só viagem.

Você é quem vai saber o que é pouco e o que é demais. O problema é que muitas vezes só descobrimos isto depois de voltar da viagem, com a memória embaralhado sobre onde foi que você viu cada coisa, de tantos lugares diferentes que acabou visitando.

Pense bem antes de se comprometer com deslocamentos grandes demais, pense na qualidade da experiência, e não só em número de lugares pinados em seu mapa de viagens realizadas.

10- Número mínimo de noites por destino

Esta questão é intimamente ligada à questão anterior.

Parte do “problema” de visitar vários destinos é que, em cada destino, você terá de ficar hospedado em um lugar diferente. Meio óbvio, não é?

Mesmo sendo óbvio, é bom ressaltar o quão desgastante pode ser arrumar suas malas, carregá-las para o próximo hotel, e desfazê-las novamente. Principalmente mais adiante na viagem, quando a proporção entre roupa limpa e roupa usada começa a pender mais para o segundo tipo.

Outra questão importante é que, quando você fica poucas noites em um destino, você mal chega a se ambientar tanto àquela cama, ao hotel, e à cidade que estiver visitando.

Há algo bem gostoso a ser vivenciado quando você passa a reconhecer a pessoa que trabalha no lobby, que lhe atende no café da manhã, quando você praticamente já pode apertar o botão do seu andar sem olhar, ou seja, quando você passa a estar ambientado naquele local. É a partir deste momento que você passa a se sentir mais em casa, e a aproveitar melhor um destino.

Eu sei que viagens assim não são para todo mundo, mas não descarte isto antes de experimentar.

Ítem Bônus: Assuma a responsabilidade pela sua viagem

Não terceirize a responsabilidade de organizar sua viagem, nem com o agente de viagens nem com nenhuma outra pessoa.

Lembre disto, a responsabilidade pela viagem é sua, somente sua. Ninguém mais vai assumir esta responsabilidade por você, nem o seu agente de viagens, nem ao menos os seus companheiros de viagem.

Você é o maior interessado e, pelo fato de você estar visitando este site e lendo este texto, posso afirmar que você será a pessoa mais preparada em seu grupo de viagem.

E é assim que deve ser. Eu conheço pessoas que não assumem responsabilidade nenhuma, que contam demais com o agente de viagens. A maioria deles não tem tempo e nem interesse em lhe passar informações para que sua viagem seja a melhor possível. Em geral, fechada a venda, ele precisa partir para a próxima, até porque ele é seu agente de viagens, e não o seu concierge pessoal.

Na maioria dos casos em que um grupo viaja junto, um líder natural acaba aparecendo. É isto é bom, novamente volto a frisar que, sua presença aqui no Viagens Dicas indica que este provavelmente seja você.

Você então será o responsável por pesquisar todas as possibilidades do uso do tempo no destino.

Considerações Finais

Prepare-se, nunca subestime a quantidade de preparação que é necessária. Procure refletir sobre a razão pela qual você está fazendo esta viagem.

Se for por prazer, se você realmente quiser fazer esta viagem, consuma todo o conteúdo que você puder antes da viagem. Se você tiver pouco tempo em função de trabalho e outras responsabilidades, tome o cuidado de programar a sua viagem com muito tempo de antecedência, para que a preparação possa ocorrer no pouco tempo que lhe sobra no fim do dia.

Uma viagem prazerosa e sem estresse é, certamente, o somatório de diversos fatores. Mas o supra-sumo de todos estes fatores pode-se resumir em um só: PREPARAÇÃO.